08 Alimentos que melhoram a imunidade

Os alimentos fornecem todos os nutrientes para o corpo. Alguns também melhoram a imunidade. Confira.

O sistema imunológico é um conjunto de processos e estruturas que protege o organismo de invasões. Para funcionar corretamente, este sistema precisa identificar uma imensa gama de agentes, desde agentes alergênicos (como poeira ou pólen), até vírus, bactérias, fungos e vermes. Alguns alimentos são bons auxiliares desta estrutura de defesa: eles agem melhorando a imunidade.

Além de identificar os invasores, o sistema imunológico precisa diferenciar os agentes patológicos dos tecidos orgânicos e também os micro-organismos nocivos dos benéficos ao organismo (como os que fortalecem a flora intestinal ou eliminam células mortas da pele, por exemplo) e identificar quando esta fauna está se proliferando excessivamente.

Com tanto trabalho, não custa nada ajudar o sistema imune a ajudar o nosso corpo, incluindo na dieta alguns alimentos que melhoram a imunidade ou fazendo algumas pequenas substituições no cardápio do dia a dia.

Conheça alguns alimentos que melhoram a nossa imunidade

Açaí

O açaizeiro é uma árvore típica da Amazônia, sendo importante para as atividades econômicas dos Estados da região Norte. A fruta é rica em proteínas, fibras, vitaminas B1, B2 e C, além dos sais minerais: cálcio, ferro e fósforo.

O açaí é considerado um superalimento, por beneficiar todo o organismo. Com relação ao sistema imunológico, os antioxidantes da fruta reduzem significativamente o estresse oxidativo das células, provocado por micro-organismos e até mesmo pela respiração.

A fruta fornece um polissacarídeo importante, o arabinogalactana, um carboidrato que induz a uma atividade mais enérgica dos linfócitos T; uma das principais funções destes glóbulos brancos é provocar a apoptose (suicídio celular) de células invadidas por vírus e bactérias ou que estejam danificadas.

Alho

Este bulbo é bastante comum na culinária brasileira, mas muitos evitam comê-lo in natura, em saladas e até mesmo vitaminas, em função do mau hálito resultante. No entanto, o alho é um alimento apresenta propriedades terapêuticas comprovadas, fornecendo substâncias antivirais e antibacterianas.

O alho é rico em vitaminas A, B2, B6 e C, ferro, iodo e silício, nutrientes com papel importante no fortalecimento do sistema imunológico, cujas deficiências estão relacionadas ao aumento de doenças infecciosas, como resfriados, gripes e pneumonias. As vitaminas também parecem reduzir os efeitos destas viroses.

Outros antioxidantes também estão presentes no alho, como o selênio, a quercetinas e especialmente a alicina, um antibiótico natural, cuja função é proteger a planta dos predadores. Em nossa cozinha, é a responsável por liberar o cheiro característico do alho, quando esmagamos um dente (que, na verdade, é uma das folhas da planta). No organismo humano, ocorre um estímulo à produção de leucócitos.

Batata-doce

Esta raiz tuberosa está sendo consumida cada vez mais por atletas e frequentadores de academias, por ser considerado um alimento completo. No entanto, todas as pessoas devem consumir a batata-doce, em função dos muitos benefícios oferecidos.

Apesar do “doce” do nome, esta batata apresenta baixo índice glicêmico. Isto significa que os açúcares presentes são absorvidos lentamente, impedindo picos de glicose no sangue; com isto, a produção de insulina é reduzida.

A batata-doce apresenta propriedades anti-inflamatórias e desintoxicantes. Por oferece grandes quantidades de vitaminas A, B e C, além de betacaroteno (precursor da vitamina A), o vegetal se configura como um excelente aliado para o sistema imunológico, especialmente contra as invasões através dos sistemas bucofaríngeo e nasal.

Cogumelo shiitake

O shiitake é a segunda espécie de cogumelos mais consumida em todo o mundo. O termo é japonês é pode ser traduzido como “cogumelo de tronco”. Os fungos desta espécie se desenvolvem sobre árvores mortas, atuando como decompositores de madeira.

Em cem gramas de shiitake, são consumidos 75 gramas de carboidratos, dez gramas de proteínas, um grama de gorduras, fibras alimentares, sódio e nove aminoácidos essenciais. Para o sistema imunológico, o mais importante é o lentinan, um composto ativo consumido há milênios em função das suas propriedades terapêuticas.

Além de alegados benefícios de cura, o lentinan já é reconhecido por sua capacidade de combater infecções e inflamações. O lentinan é indicado também para pessoas com pessoas imunodeficientes, como os portadores de enfermidades infectocontagiosas.

Frutas cítricas

Bastante consumidas pelos brasileiros, todas as frutas cítricas são boas fontes de vitamina C, um excelente antioxidante, que preserva a saúde das células e, de quebra, inibe os efeitos do envelhecimento precoce. A vitamina C também é importante para a formação de uma proteína usada pelo organismo para a conservação da pele, tendões, ligamentos e vasos sanguíneos.

Ao contrário de uma velha crendice, a vitamina C não combate a gripe (que, uma vez instalada, seguirá o seu curso até que o sistema imunológico consiga neutralizar a invasão viral). No entanto, os sintomas das viroses, em crianças e adultos que consomem regularmente as frutas cítricas, geralmente são menos intensos.

Para garantir o suprimento, um limão, dois tomates, duas laranjas, duas fatias de abacaxi ou uma porção de morango são algumas das muitas opções. Outras fontes de vitamina C são: kiwi, acerola, tangerina, lima, toranja e cidra.

Gengibre

A raiz é outro alimento funcional – que, além de nutrir, apresenta propriedades terapêuticas específicas. No caso do gengibre, é a termogenia, a capacidade de aumentar rapidamente a temperatura corporal, acelerando o metabolismo, induzindo inclusive à perda de peso.

Vale dizer que todos os alimentos são termogênicos, uma vez que a própria digestão exige mais energia, liberada com a queima de glicose (encontrada nos depósitos de gordura encontrados no corpo). No entanto, para ser considerado funcional, esta queima deve ser superior a 10% do observado com a dieta normal. No caso do gengibre, a queima sofre um aumento de até 20%.

O gengibre é ainda rico em vitamina B6 e C, nutrientes com ação bactericida, que protege contra a ação de micro-organismos. Como se pode ver, nossas avós estavam certas quando recomendavam o chá de gengibre para as inflamações de garganta e a inalação da infusão da raiz, para as infecções das vias aéreas superiores.

O gengibre é bastante versátil. Além das infusões, ele pode ser consumido em chás de frutas (como o abacaxi e a pera, por exemplo), ralado e polvilhado sobre saladas ou assado juntamente com carnes vermelhas, aves e peixes.

Leite fermentado

O consumo regular de lactobacilos vivos traz benefícios que vão muito além da regularização do trânsito intestinal – o que, por si só, já recomendaria a ingestão do leite fermentado. Este efeito é determinado pelos probióticos presentes na bebida, um grupo de bactérias boas que controlam as populações que formam a flora intestinal.

Iogurtes e bebidas lácteas podem apresentar constituição nutricional semelhante. No entanto, é importante verificar as informações contidas nos rótulos, uma vez que há, no mercado, muitos produtos, inclusive com embalagens parecidas, que são apenas “docinhos”. Com relação aos leites fermentados, a única preocupação é checar o teor de açúcar, que pode elevar o consumo calórico.

Os benefícios obtidos pelo intestino se expandem para todo o organismo, já que o tubo intestinal é o maior órgão do tronco humano (formado por tórax e abdômen): são sete metros de um tubo em que os glóbulos brancos estão “positivos e operantes”, neutralizando quaisquer invasões.

Com as colônias de bactérias atuando de forma eficaz no intestino, reduzem-se as probabilidades de invasões de micro-organismos ingeridos com os alimentos que poderiam migrar para outros sistemas (como o nervoso e o respiratório) através da corrente sanguínea.

Oleaginosas

Quando se fala em ômega 3, a maioria das pessoas pensa em frutos do mar, que estão presentes inclusive em algumas peças publicitárias de alguns suplementos do ácido graxo essencial. Contudo, as oleaginosas também são boas fontes desta “gordura do bem”, além de oferecem muitos outros benefícios.

As oleaginosas são boas fontes de selênio e vitamina E, nutrientes que atuam como antioxidantes, o potássio e o magnésio reduzem o colesterol ruim (LDL), além de prevenir cãibras e atenuar os efeitos destas contrações musculares repentinas e dolorosas.

Entre as frutas oleaginosas, uma merece destaque quando o assunto é o fortalecimento do sistema imunológico: o pistache. Estas pequenas castanhas são ricas em vitaminas A, B1, B2 e B3, ferro, magnésio e potássio, substâncias que fortalecem os ossos, previne o diabetes e intensifica a ação dos glóbulos brancos. O consumo deve ser moderado, porque metade destas frutas é composta por óleos.

Também Recomendamos

Deixe uma resposta